11 de jan de 2019

2k18

Nos últimos dias do ano gosto de ficar um pouco sozinho pra refletir o que aconteceu nos últimos 350 dias, se as metas foram cumpridas, se as expectativas foram excedidas, se todas as pessoas que entraram (e saíram) da minha vida acrescentou algo, se os meus valores ainda são os mesmos.


//muitas lágrimas
Esse foi um ano que chorei muito, não de suma lágrimas tristes, a maioria das vezes que chorei foi devido estar escrevendo algum texto sentimento para alguém que eu amo muito, um dos choros foi na minha primeira viagem sozinho (nesse caso, sem meus pais), no momento em que cheguei em Brasília vindo do Rio, me debulhei em lágrimas, por gratidão e uma felicidade inexplicável de que a vida é maravilhosa se a gente faz o que gosta, se compartilhamos coisas boas com quem amamos. 

//voltando a escrever
Lá pra meados do tcc entrei num período de bloqueio criativo, cheguei a dar um fim no antigo blog, voltei a escrever no bloco de notas e senti falta de postar em algum lugar, então voltei, com o rabo entre as pernas, falando sobre amor, pessoalidades, resumos mensais e umas coisas que precisava externar. Espero que me profissionalize mais na escrita, sinto que quando escrevo sobre mim e sobre meus sentimentos é o modo como consigo me conhecer e me observar, mesmo com erros ortográficos.


(uma lista não cronológica de coisas que me aconteceram)

//viagens e aventuras 
Conheci a Chapada dos Veadeiros e meu ano começou energicamente positivo, renovado (postei vários #tbt durante o ano). Fui durante um final de semana à São Paulo, andei no sol quente e descobri meu amor pela paulista e por tanta gente artista. No Rio relembrei como era assar as pernas e queimar no sol, mas também andei de bicicleta entre Copa e Leblon, peguei metrô com a blusa ao avesso, conheci as águas muito geladas de Cabo Frio, fiquei hospedado no Comando Vermelho. 7

Resumindo resumindo foi um ano delicioso de viver, muitas coisas boas aconteceram, outras me chatearam, mas sei que aprendi muito, que todo o sono foi válido, todas as tentativas valeram a pena. É sempre aquela coisa, gratidão, né?

Um comentário

  1. acho que anos assim que marcam mais. cheio de lágrimas de tristeza e de alegria. os dois lados da coisa toda sabe? os que a gente não chora normalmente a gente também não sorri. então eu prefiro sentir tudo a não sentir nada :)

    ResponderExcluir