Resenha: O Pessegueiro

26 de jan. de 2014

Autora: Sarah Addison Allen
Editora: Planeta, 2013
Páginas: 256
Avaliação: ★★★★★

O Pessegueiro” chama atenção de longe, por sua capa belíssima e diagramação deliciosa, mas não é somente aí que o livro é incrível: sua história e seus personagens são intrínsecos, interligados por um segredo, por um passado profundo. Possuído de uma escrita carregada de ânsia e gosto pelas palavras da autora, pelo mistério que envolve o leitor – de uma forma prática e fantástica.

Os Jackson foram uma grande família em Walls of Water, após uma grande crise, sobrou somente Willa Jackson, a menina mais “vida loka” da cidade no período escolar e agora na fase adulta luta para esquecer essa imagem de garota inconseqüente. Os Osgood também são grande e poderosa família de WOW, Paxton é aquele tipo de mulher que tem tudo o que quer, é perfeita e nunca – em hipótese alguma – recebe um não. O destino de Willa e Paxton logo terá de mudar com a festa de 75 anos do Clube Social Feminino. Pessoas de um passado oculto iram aparecer e surpreender ainda mais, parece ser tudo um grande presente de comemoração para o Clube Social Feminino. Esse evento tão importante para as mulheres de Walls Of Water revelará oportunidades para as duas famílias.

“A felicidade é um risco. Se você não sentir um pouquinho de medo, não está fazendo a coisa certa.”
Já não basta mais os personagens na história, Sarah cria uma trama que envolve o leitor de uma forma inocente e incompleta, deixando a mim – ao leitor – curioso demais e pedindo uma continuação. E saber que não existe uma continuação me deixa muito triste, é obvio que não dá para contar o tanto de história que autora quis em poucas páginas e eu fico aqui desejando, querendo saber o que vai acontecer com esses personagens ou o que aconteceu com eles antes de chegarem ao ponto do livro (eu me refiro ao passado – tem muita coisa oculta ali).

Apesar de sentir uma leitura “incompleta” é um livro muito bom, que merece ser lido por todos que tem uma grande amizade ou que deixaram de ser amigos. A amizade é um dos pontos mais fortes do livro, frisando isso observo o quanto o amor de amigos é bonito ou forte, que a amizade pode guardar grandes segredos ou que amigos são amigos para todas as horas. Aliás, até para quem não tem uma grande amizade – o que é impossível (levando em consideração os pais) – o livro é recomendado. Seu suspense junta com um sentimentalismo, que o torna crível e belo.

“– Aconteceu muito rápido.
– Isso é um passo grande para você.
– Deveria ter acontecido há muito tempo.”

*essa é uma daquelas resenhas que você nunca acha que está completa.
 
a vida dentro | © 2012 – 2020