menu
15 de jul de 2018

Vamos falar sobre a síndrome do impostor


Não sou diagnosticado com tal síndrome, mas quase certeza que tenho, porque de acordo com a internet diz o seguinte parece que quanto melhor eu me saio, maior é o meu sentimento de inadequação, porque penso que em algum momento, alguém vai descobrir que eu sou uma fraude e que eu não mereço nada do que conquistei*. Ter controle e propriedade sobre as coisas que crio ou faço é quase inexistente, parece que tudo foi sorte do acaso e nunca me sinto bom suficiente. 

Não se sentir bom o suficiente é pior ainda porque inibe que eu faça outras coisas, por achar que não serão boas tão quanto minha expectativa. Então a gente começa a ficar triste porque deixa de fazer as coisas que gosta e não fazer as coisas que gosta faz a gente criar uns problemas na cabeça e a cabeça começa a afetar o corpo e umas alergias estranhas surgem, ficamos ainda mais expostos a energias negativas. 

E essa mesma tristeza vem do nada, sem explicação, você só se sente insuficiente porque nunca lhe ensinaram que "não precisa ser perfeito" e você acaba sentindo um medo bem grande de falhar, no caso, se você é artista sente que sua produção nunca será aceita por ninguém. 

É bem horrível saber que dentro de você existe uma luzinha boa dizendo "você é o cara", mas existe uma escuridão ainda maior dizendo que você nunca alcançará seus objetivos. E o engraçado que por mais que receba elogios, curtidas e comentários maravilindos alguma coisa negativa afeta ainda mais. 

Como eu quero que isso passe para fora de mim, para que eu possa me orgulhar das coisas "feias" e das coisas bonitas que produzo, para que eu tenha vontade produzir cada vez mais, de escrever cada vez mais, de arriscar e de não me preocupar se todos vão gostar. Eu só quero que a arte não seja algo que me machuque quando deveria ser o oposto, eu só não quero me auto machucar, mesmo que sem querer. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial