O sentimento de perda

1 de abr. de 2017
​Hoje vou-lhes contar uma história triste. Sério. Prepare os lenços.


A minha mãe tinha o costume sempre de me dizer que a gente dá valor somente quando perde; e ela sempre teve razão nisso, só damos valor quando realmente perdemos, porque conseguimos, agora que sem, perceber a diferença que fazia na nossa vida.

O sentimento de perda é tão angustiante, porque você fica pensando naquilo todos os momentos e você fica triste pelo o que não foi - e se culpa pela quantidade de "e se", e se eu não tivesse feito isso, mas sim aquilo. O fato é que as probabilidades já não mais importam quando você perde, não há motivo para chorar pelo leite derramado, afinal, derramou e ponto.

Desde o momento da minha perda, percebi que a minha vida seria diferente, que os dias ensolarados já não seriam os mesmos, que o modo como ia passar a ver a vida seria diferente e está sendo diferente. Porque a história começou bem lentamente, há algum momento tinha percebido que estávamos nos flertando e sabia como ele poderia fazer diferença na minha vida, nas perspectivas que poderia me oferecer. Então aos poucos matutei a ideia de um relacionamento, de um possível relacionamento e não tardou: dois ou três meses, éramos apenas um ocupando o mesmo espaço. Após o toque sabíamos que aquele seria um relacionamento que renderia histórias.

Infelizmente, amigos, não foi isso que aconteceu.

Durou pouco tempo e a vida é assim mesmo, algumas coisas vem e vão. Como minha amiga diz: "o universo trás, depois tira, depois te dá novamente", é uma história bem louca. Então o perdi, para sempre e não teve despedida.

Serei grato por cada momento que fui acompanhado, seja sorriso ou seja lágrima. Por cada foto tirada e cada proteção. Com um sentimento de perda, eu consigo me despedir, de você que me permitia ver o mundo de outra forma: senhor óculos.

Em anexo segue os últimos momentos com o óculos antes do seu desaparecimento dentro do mundo aquático (ou simplesmente no Lago Paranoá):

 
home / sobre / leituras / blogroll / contato

a vida dentro © 2012 – 2020