Uma carta para um desconhecido

Esse post pertence a este projeto, que é basicamente todo mês escrever uma carta de coração: falando de auto-descoberta, para alguém do passado ou um simples desabafo.




Caro desconhecido, como sinto vontade em beija-lo, mas não qualquer beijo, quero te beijar com força, quero te beijar de olhos bem fechados, assim como quando fechamos os olhos quando abraçamos a mãe, um amigo de infância, um irmão, um namorado, quero te beijar assim porque é quando meu coração se sente bem, ele se sente em casa. Sem dúvidas, vou te beijar molhado, até ficar sem fôlego e sentir vontade de rir, vou beijar incansavelmente e antes de dormir.

Nem lhe conheço e fico pensando no amanhã, em como estará você e eu nessa existência. Creio que você será indecifrável, utópico e incompreensível, mas é assim que eu gosto, do impossível, do inexistente, da loucura, da vontade. Estou ansioso pra te conhecer, pra te pegar de jeito e ver você me fazer suspirar, me surpreender e me deixar louco pedindo pra repetir, mas não vou precisar me preocupar porque sei que sempre terá uma carta na manga e me aprontará algumas.

Sei que pretende me dar alguns bons sustos, me dará alguns bons ataques cardíacos e outros bons socos na cara. Porém, ao mesmo tempo, fará isso pra me estabilizar, me levantar e me fazer feliz. Sei que me dará boas oportunidades, quase como um braço direito, como se estivesse tudo prescrito. Estou, meu caro desconhecido, louco para te conhecer.

E se você não fosse desconhecido, eu não te chamaria de destino.

Comentários

  1. Eu li esta e as outras cartas desse projeto e posso dizer que são todas maravilhosas. Seus textos são muito bons para refletir sobre as coisas da própria existência.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

tudo novo de novo

Formas e formatos

Uma passadinha em São Paulo antes...